Posts Tagged ‘caipira preto’

  • Dia Nacional da Consciência Negra: Nossa Homenagem ao Caipira Negro Aristides dos Santos

    Date: 2011.11.19 | Category: CECMundoRural | Response: 2

    (Aristides dos Santos)

    Boa Tarde Amigos do Mundo Rural!

    No Dia Nacional da Consciência Negra que é celebrado em 20 de novembro no Brasil e é dedicado à reflexão sobre a inserção do negro na sociedade brasileira deixamos nossa homenagem ao Sr. Aristides dos Santos (Presidente de Honra do Conselho Afro Brasileiro de São José do Rio Preto – SP).  A semana dentro da qual está esse dia recebe o nome de Semana da Consciência Negra. A data foi escolhida por coincidir com o dia da morte de Zumbi dos Palmares, em 1695. O Dia da Consciência Negra procura ser uma data para se lembrar a resistência do negro à escravidão de forma geral, desde o primeiro transporte de africanos para o solo brasileiro (1594).

    Algumas entidades como o Movimento Negro (o maior do gênero no país) organizam palestras e eventos educativos, visando principalmente crianças negras. Procura-se evitar o desenvolvimento do auto-preconceito, ou seja, da inferiorização perante a sociedade. Outros temas debatidos pela comunidade negra e que ganham evidência neste dia são: inserção do negro no mercado de trabalho, cotas universitárias, se há discriminação por parte da polícia, identificação de etnias, moda e beleza negra, etc. O dia é celebrado desde a década de 1960, embora só tenha ampliado seus eventos nos últimos anos.

    Caipira Negro

    O caipira negro é descendente de escravos, na época de Cornélio Pires chamado de Caipira Preto. Foi imortalizado pelas figuras folclóricas da mãe-preta e do preto-velho que é homenageado por Tião Carreiro e Pardinho nas músicas “Preto Inocente” e “Preto Velho”. É, em geral, pobre. Sofre, até hoje, as consequências da escravidão; Cornélio Pires diz dele: “É batuqueiro, sambador, e “bate” dez léguas a pé para cantar um desafio num fandango ou “chacuaiá” o corpo num baile da roça”. Segue abaixo as duas músicas de Tião Carreiro e Pardinho.

    Preto Velho (Tião Carreiro e Pardinho)

    Perguntei ao preto velho / Porque chora meu heroi? / Preto velho respondeu / É meu coração que dói / Eu já fui bom candeeiro, / Fui carreiro e fui peão / Já derrubei muito mato, / e ja lavrei muito chão / Com carinho carreguei… / Os filhos do meu patrão / Em troca do que eu fiz, / só recebi ingratidão / Perguntei ao preto velho / Porque chora meu heroi? / Preto velho respondeu / É meu coração que dói / Sempre chamei de senhor / Quem me trato a chicote / Livrei meu patrão de cobra / Na hora de dar o bote / Eu sempre fui a Madeira / E o patrão foi o serrote / Sofri mais do que boi velho / Com a canga no cangote / Perguntei ao preto velho / Porque chora meu heroi? / Preto velho respondeu / É meu coração que dói / Da terra tirei o ouro / Meu patrão fez seu anel / Mas agora estou velho / E meu patrão mais cruel / Está me mandando embora / Vou viver de del em del / O que me resta é esperar… / A recompensa do céu.

    Música e Vídeo no Youtube:  

    http://www.youtube.com/watch?v=ILauiLTPQk0

    Preto Inocente (Tião Carreiro e Pardinho)

    Quando eu soube desse fato pelo radio anunciado / Que um tal preto fugido morreu por haver roubado / As façanhas que ele fez me deixou muito amolado / Por alembrar que os pretos sempre são os mais visados / Mas diante da verdade eu vi que estava enganado / Vou contar o causo direito do modo que se passou / Porque o pai de Suzana num criminoso virou / Na hora que deu o tiro foi que a Suzana gritou / Oh papai porque fez isso o senhor nem me consultou / Se eu ainda estou com vida é o preto que me salvou / No mato eu tava lenhando logo pegou escurecer / O caminho que eu voltava eu não podia mais ver / Naquilo avistei o preto de susto peguei tremer / Mocinha não tenha medo escutei ele dizer / Eu sou preto só na cor mal nenhum vou lhe fazer / Eu tava muito cansada o meu corpo não agüentou / Fui sentar debaixo dum toco uma cobra me picou / O preto rancou da faca o meu pé ele sangrou / O veneno da serpente com a boca ele tirou / Pra salvar a minha vida com a morte ele brincou / e aqui nessa cabana ele trouxe eu carregando / E que nem um sentinela na porta ficou vigiando / Lá fora na mata escura as feras tava uivando / Abatido pelo sono coitado foi cochilando / Veio o senhor de surpresa e a vida foi lhe tirando / Com as palavras de Suzana o seu pai pegou chorar / Fosse coisa que eu pudesse de novo a vida eu lhe dar / Com o sangue desse inocente minha honra eu fui manchar / Este chão que ele pisava eu não mereço pisar / Sei que vou ser condenado só Deus pode me livrar.

    Música e Vídeo:  http://letras.terra.com.br/tiao-carreiro-e-pardinho/560741/

    Quem é Aristides dos Santos? 

    Conselho Afro Brasileiro de Rio Preto – SP

    Presidente: Cecília Nunes

    Endereço: Rua Lafaiete Spínola de Castro, 1463

    CEP: 15025-510 Bairro – Boa Vista  – São José do Rio Preto – SP

    Horário de funcionamento: Segunda a sexta-feira, das 7h30min. às 15h30min.

    Telefone: (17) 3231 5226 (17) 3013 2048

    E-mail: conselhoafro@riopreto.sp.gov.br

Nuvem de tags

Categorias

Agenda

julho 2022
S T Q Q S S D
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031

Lista de Links

Tópicos recentes

Pesquisar