Posts Tagged ‘mst’

  • 1° Feira Nacional da Reforma Agrária

    Date: 2015.10.22 | Category: CECMundoRural | Response: 0

    Bom dia amig@s do mundo rural!

    Estamos divulgando a 1° Feira Nacional da Reforma Agrária. Segue abaixo a chamada e um vídeo no youtube. Saudações, Prof. Fábio Fernandes Villela.

    ***

    1° Feira Nacional da Reforma Agrária

    De 22 a 25/10, mais de 500 agricultores de 23 estados mais o Distrito Federal estarão presentes na 1° Feira Nacional da Reforma Agrária no Parque da Água Branca, em São Paulo.

    A população paulistana terá acesso a toneladas de alimentos a preços populares, produzidos nas áreas de assentamentos da Reforma Agrária de todas as regiões do país.

    Além da feira, quem vier ao Parque encontrará também uma vasta programação, com shows, intervenções culturais, seminários e uma Praça de Alimentação com comidas típicas de cada região.

    A Feira também é uma oportunidade de estreitar o diálogo entre a população do campo e da cidade, mostrando a importância da Reforma Agrária na produção de alimentos saudáveis para a mesa do povo brasileiro.

    Vídeo no youtube: https://www.youtube.com/watch?v=mf1REPzfqOo&feature=youtu.be

  • 2ª Jornada Universitária em Defesa da Reforma Agrária da Unesp de São José do Rio Preto

    Date: 2015.02.21 | Category: CECMundoRural | Response: 0

    Bom dia Amig@s do Mundo Rural! Tudo bem?

    Em 2014 realizamos na Unesp de São José do Rio Preto, a primeira edição das Jornadas Universitárias em Defesa da Reforma Agrária, em conjunto com o 3º Seminário O Trabalho no Século XXI: Educação, Trabalho e Saúde no Campo e o 1º Seminário de Educação do Campo da Unesp de Rio Preto. Vcs podem conferir o website do evento no seguinte link:

    http://www.fabiofernandesvillela.pro.br/eventos/seminario-trabalhador-2014/home

    Na 1ª edição das Jornadas participaram 57 instituições de ensino superior, entre campus, institutos e universidades brasileiras. O êxito das Jornadas pode ser dimensionado pelos seguintes desdobramentos: (1) permitiram o trabalho coletivo de diversos grupos de pesquisa da mesma universidade que tem em comum o apoio ao MST e a Reforma Agrária; (2) proporcionaram momento importante de integração e articulação entre a comunidade acadêmica e os movimentos sociais do campo; (3) se constituíram como importante espaço de formação e de propaganda sobre os temas da questão agrária, do projeto de país, das matrizes de produção da vida, da estratégia de construção popular e da luta pelo socialismo, no ambiente acadêmico; (4) foram demonstração de apoio das universidades à reforma agrária perante a sociedade.

    O desafio para a segunda edição, em 2015, é ampliar a qualidade das ações desenvolvidas, visando tanto a formação e propaganda interna, quanto a comunicação para a sociedade dessa fértil parceria entre as universidades brasileiras e o MST. Para essa tarefa, convidamos a tod@s para as seguintes atividades na Unesp de São José do Rio Preto, dias 22, 23 e 24 de abril de 2015, no Auditório C, a partir das 19:00h:

    Dia 22 de Abril de 2015

    - Mesa-Redonda: Reestruturação Produtiva, Agronegócio e Educação (Coordenação: Prof. Dr. Vitor Machado – Unesp – Bauru)

    - Lançamento do livro: Riqueza e Miséria do Trabalho no Brasil III (Organização Ricardo Antunes, Editora Boitempo)

    O terceiro volume de Riqueza e miséria do trabalho no Brasil, projeto do sociólogo e professor da Unicamp Ricardo Antunes, explora o laboratório capitalista em países nórdicos e no Brasil, aprofundando o objetivo da série de traçar um panorama do momento atual e do futuro do trabalho e do sindicalismo no Brasil. Dando continuidade ao projeto iniciado com a publicação dos volumes I e II desta série, também pela Boitempo, os autores investigam em profundidade os caminhos do mundo do trabalho contemporâneo, suas metamorfoses e transformações, com o olhar voltado especialmente para o caso brasileiro, mas também para o espaço produtivo e as formas diferenciadas de produção nos países capitalistas centrais.

    Dia 23 de Abril de 2015

    - Mesa-Redonda: Por uma Reforma Agrária Popular (Coordenação: Coletivo Gregório Bezerra – Comuna Amarildo – Santa Catarina – SC)

    Dia 24 de Abril de 2015

    - Palestra: Os Caminhos da Agroecologia (Palestrantes: Virlei Ferreira – Coordenação Nacional do MST e Anderson Bacciotti – Secretaria da Educação do Estado de São Paulo, Escola Estadual Dr. Avelino Aparecido Ribeiro, Iaras – SP ).

    ***

    Mini-Cursos
    Dia 23 de Abril de 2015

    14:00h as 18:00h

    1. História e Atualidade dos Conflitos Rurais no Estado de São Paulo (Observatório dos Conflitos Rurais em São Paulo) (Carga-horária 4h/aula).

    Dia 24 de Abril de 2015

    14:00h as 18:00h

    2. Gênero e Campo (Coletivo Feminista Classista Ana Montenegro) (Carga-horária 4h/aula).

    ***

    Certificados: os certificados do evento terão carga horária total de 12 horas/aula.

    ATENÇÃO: os CERTIFICADOS de participação serão ENVIADOS SOMENTE VIA E-MAIL, em arquivo PDF para impressão, em até 30 dias após o término do evento. SOMENTE serão emitidos certificados para quem assinar a lista de presença nos 3 dias do evento.

    Valores: evento gratuito.

    Número de vagas: 200 pessoas (capacidade máxima do auditório).

    Inscrições: as inscrições para o evento poderão feitas no primeiro dia do evento e/ou antecipadas via website:

    www.even3.com.br/2jornibilce

    Página do evento no Facebook:

    https://www.facebook.com/events/1584256185126157/?ref_dashboard_filter=upcoming&source=1

    APOIO

    ADUNESP – Rio Preto – Associação dos Docentes da Universidade Estadual Paulista

    CAPED – Centro Acadêmico “Wilson Cantoni” da Pedagogia – Ibilce – Unesp – Rio Preto

    CPT – Comissão Pastoral da Terra – Promissão – SP

    DAF – Diretório Acadêmico da Filosofia – Unesp – Rio Preto

    NARA-RP – Núcleo Ação pela Reforma Agrária – Rio Preto

    BLOG A PÁGINA DA VIDA

    Sidinei Ribeiro – www.apaginadavida.blogspot.com

    CNPQ – Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico

    CANTINA DO GIL – Ibilce – Unesp – São José do Rio Preto – SP

    FAPERP – Fundação de Apoio à Pesquisa e Extensão de São José do Rio Preto – SP

    GEPEC – UFSCar – Grupo de Estudos e Pesquisas em Educação do Campo da Universidade Federal de São Carlos – SP

    GEPEDOC – UNESP- Rio Preto – Grupo de Estudos e Pesquisas em Educação do Campo da Unesp de S. José do Rio Preto – SP

    HISTEDBR – Grupo de Estudos e Pesquisas sobre História, Sociedade e Educação no Brasil – Faculdade de Educação, UNICAMP

    ICLS – Instituto Cultural Lyndolpho Silva

    PEJA – Projeto Unesp de Educação de Jovens e Adultos, UNESP – Campus São José do Rio Preto – SP

    PROEX – Pró-Reitoria de Cultura e Extensão, UNESP

    PROPE – Pró-Reitoria de Pesquisa, UNESP

    PROGRAD – Pró-Reitoria de Graduação, UNESP

    RET – Rede de Estudos do Trabalho

    SSPM – Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de São José do Rio Preto – SP

    UFSCAR – Universidade Federal de São Carlos – SP

    UNICAMP – Universidade Estadual de Campinas – SP

    USP – Universidade de São Paulo, Campus de Ribeirão Preto – SP

    LOCAL: Auditório C, Instituto de Biociências, Letras e Ciências Exatas – IBILCE, Universidade Estadual Paulista – Júlio de Mesquita Filho – UNESP, Rua Cristóvão Colombo, 2265 – Jd.Nazareth – Fone (17) 3221-2318 – CEP. 15054-000 – São José do Rio Preto – SP.

  • Rede Comunitária de Produtos Orgânicos

    Date: 2014.05.19 | Category: CECMundoRural | Response: 0

    Bom dia Amig@s do Mundo Rural! Tudo bem?

    Gostaria de apresentar para vcs o projeto da Rede Comunitária de Produtos Orgânicos. O projeto consiste em um sistema de vendas e entrega de cestas de produtos orgânicos no Ibilce – Unesp – Rio Preto. O objetivo é articular alguns agricultores de produtos orgânicos de Rio Preto que estariam dispostos a vir entregar cestas de produtos orgânicos e de estação para pessoas da faculdade e demais interessados que fizeram um pedido de cesta previamente. A cesta compreenderia frutas e hortaliças de estação o suficiente para poder cozinhar uma semana para uma pessoa juntos com uma caixa de 6 ovos. Esses produtores entregariam a cesta num dia da semana no Ibilce – Unesp – Rio Preto durante um horário já definido e as pessoas que fizeram a encomenda iriam pegar a cesta que elas encomendaram. Para maiores informações, vcs podem dar uma olhada nas páginas do Facebook  abaixo. Saudações, Prof. Fábio Fernandes Villela.

    Página no Facebook da Rede Comunitária de Produtos Orgânicos: https://www.facebook.com/pages/Rede-comunitária-de-Produtos-Orgânicos/1415686508706526?fref=ts

    Página no Facebook do Projeto Cestas Verdes: https://www.facebook.com/groups/cestasverdesibilce/?fref=ts

  • Excursão Didática 2014: Conhecendo a Vida Rural e as Lutas pela Reforma Agrária: uma Vivência com os Assentados e Acampados em Promissão – SP

    Date: 2014.04.11 | Category: CECMundoRural | Response: 20

    (Padre Josimo, Marabá, 1953 – Imperatriz, 10 de maio de 1986)

    Bom Dia Caros Alunos! Tudo bem?

    Gostaria de convidar a tod@s para a excursão didática para o Assentamento Reunidas em Promissão – SP. A atividade se chama “Conhecendo a Vida Rural e as Lutas pela Reforma Agrária: uma Vivência com os Assentados e Acampados em Promissão – SP”. Será dia: 03-05 (sábado) de 2014 das 7h as 19h. Carga Horária: 12h (Obs. Fazer a postagem pois conta como AACCs e para as atividades da disciplina “Sociologia da Educação 2” da Pedagogia / Ibilce / Unesp – Rio Preto).

    Inscrições via e-mail (nome completo e RG) para: fabiofernandesvillela@gmail.com

    ATENÇÃO: Haverá uma arrecadação de roupas, alimentos, brinquedos, etc., para os Acampados do Argentina Maria (Promissão – SP).

    Por ocasião da visita haverá uma Mística para juntos rememorarmos os 28 anos do martírio do Pe. Josimo, a luta constante e as caminhadas dos/as companheiros/as assentados e acampados!

    O que o aluno deve levar: dinheiro para almoço (R$5,00), produtos para a “Feira da Troca” (produtos  de limpeza, higiene pessoal, roupas, etc.  para serem trocados com produtos dos Assentamentos). Roupa de banho para nadar na prainha. O ônibus é de graça (lotação máxima de 40 lugares).

    Programação: Rio Preto: apresentação e discussão do documentário: “O Casamento da Terra” (7h:30min.). Promissão – SP: (9:h:00) café da manhã, mística, almoço, recreação na represa de Promissão- SP (Prainha).

    Saída: 7h:30min., em frente ao saguão de entrada do IBILCE e retorno as 19h:00min.

    HAVERÁ PRIORIDADE PARA OS ALUNOS DO 3º ANO DE PEDAGOGIA, LOGO EM SEGUIDA OS DEMAIS ANOS: 4º, 2º e 1º.

    Maiores informações:

    * Lista no Facebook do Evento: https://www.facebook.com/events/616714178411728/?source=50

    * Prof. Fábio Fernandes Villela (e-mail: fabiofernandesvillela@gmail.com)

    Até lá, saudações, Prof. Fábio Fernandes Villela.

    APOIO:

    ADUNESP – Rio Preto – Associação dos Docentes da Universidade Estadual  Paulista

    CAPED – Centro Acadêmico “Wilson Cantoni” da Pedagogia – Ibilce – Unesp – Rio Preto

    CPT  -  Comissão Pastoral da Terra – Promissão – SP

    DAF – Diretório Acadêmico da Filosofia – Unesp – Rio Preto

    NARA-RP – Núcleo Ação pela Reforma Agrária – Rio Preto

  • Seminário Preparatório para o 6° Encontro Nacional dos Violeiros e Violeiras

    Date: 2013.12.11 | Category: CECMundoRural | Response: 0

    Bom dia Amig@s do Mundo Rural! Tudo bem?

    Segue abaixo notícia sobre o Seminário Preparatório para o 6° Encontro Nacional dos Violeiros e Violeiras. Saudações, Prof. Fábio Fernandes Villela.

    Neste final de semana, diversos violeiros de todo o Brasil se reuniram na cidade de São Paulo em torno do Seminário Preparatório para o 6° Encontro Nacional dos Violeiros e Violeiras.

    O objetivo da atividade foi debater a realização de uma semana temática da cultura caipira e camponesa na cidade de São Paulo, em abril de 2014. Nos períodos da tarde, os músicos realizaram apresentações gratuitas no Teatro Décio de Almeida Prado.

    Segundo o violeiro Minerin, do setor de cultura do MST, é a primeira vez que a Associação Nacional dos Violeiros realiza um seminário preparatório em que diversas forças do país constroem e organizam comumente algo desse tipo.

    “O mais importante é a retomada dessa articulação nacional dos violeiros, debater o papel e a importância da cultura da viola caipira no Brasil, fazendo um trabalho de defesa e de resistência, num momento em que a música caipira sofre tantos reveses”, acredita.

    A idéia é que a semana temática da cultura caipira e camponesa conte, além do 6° Encontro Nacional dos Violeiros e Violeiras, com oficinas, debates, palestras, feira da Reforma Agrária e agricultura familiar, entre outras atividades que remete a vida no campo.

    Símbolo da cultura popular brasileira

    Para Pereira da Viola, a viola é um instrumento símbolo de toda cultura popular brasileira, por isso “essa cena precisa chegar mais ao povo brasileiro, com a visibilidade real e coerente da importância que ela tem para a nossa identidade cultural”.

    Esse momento, como destaca Jade Percassi, do setor de cultura do MST, é semelhante ao que já tem acontecido em São Paulo, em torno de atividades que contemplam as diversas culturas que compõem a cidade, como a cultura da periferia, o hip hop, a cultura nordestina e de diversos outros povos e etnias presentes.

    “Também é trazer a presença da cultura caipira que compõem esse cenário da cidade, com um evento de caráter nacional”, observa.

    No caso, seria evidenciar um elemento que está presente na cultura de muitas pessoas da cidade de São Paulo, que tem na sua raiz a cultura do campo.

    “Quando falamos de fazer uma roda de viola ou comida típica que lembra a infância ou o passado recente das pessoas, em todo lugar que ventilamos essa idéia a adesão é muito grande, porque pouco se fala dessa presença, mas ela existe e é muito maior do que podemos imaginar”, pontua.

    Informações retiradas da seguinte notícia: Violeiros organizam semana da cultura caipira e camponesa em São Paulo, por Luiz Felipe Albuquerque, da página do MST (http://www.mst.org.br/node/15528).

  • Excursão Didática de Natal: Conhecendo a Vida Rural e as Lutas pela Reforma Agrária: uma Vivência com os Assentados em José Bonifácio – SP e com os Assentados e Acampados em Promissão – SP

    Date: 2012.12.11 | Category: CECMundoRural | Response: 1

    Bom Dia Caros Alunos! Tudo bem?

    Gostaria de convidar a tod@s para a excursão didática para o novo Assentamento em José Bonifácio – SP e para o Assentamento e Acampamento em Promissão – SP. A atividade se chama “Conhecendo a Vida Rural e as Lutas pela Reforma Agrária: uma Vivência com os Assentados em José Bonifácio – SP e com os Assentados e Acampados em Promissão – SP”. Será dia: 22-12 (sábado) de 2012 das 7h as 19h. Carga Horária: 12h (Obs. Fazer relatório pois conta como AACCs e para as atividades da disciplina “Trabalho e Educação” da Pedagogia / Ibilce / Unesp – Rio Preto).

    Inscrições via e-mail (nome completo e RG) para: fabiofernandesvillela@gmail.com

    ATENÇÃO: Haverá também uma campanha de arrecadação de presentes para as crianças dos Assentamentos Reunidas (Promissão) e Augusto Boal (José Bonifácio) e do Acampamento Argentina Maria (Promissão), para juntos celebrarmos a vitória do Assentamento de José Bonifácio, a luta constante do acampamento de Promissão e as caminhadas dos/as companheiros/as da Reunidas! A visita será dia 22/12, portanto a campanha para arrecadação será até SEXTA-FEIRA, DIA 21/12.

    O que o aluno deve levar: dinheiro para almoço (R$5,00) e para pagar o micro-ônibus (R$15,00), produtos para a “Feira da Troca” (produtos  de limpeza, higiene pessoal, roupas, etc.  para serem trocados com produtos do Assentamento Reunidas em Promissão – SP).

    Re l e m b r a n d o: estamos fazendo uma lista com produtos que as pessoas querem do Assentamento Reunidas – Promissão – SP. Não deixem de enviar seus pedidos para o e-mail: fabiofernandesvillela@gmail.com Vamos trazer em mãos para as pessoas que encomendarem os produtos.

    Saída: 7h:30min., em frente ao IBILCE e retorno as 19h:00min.

    Maiores informações:

    * Lista no Facebook do Evento: http://www.facebook.com/events/304586992992744/

    * Prof. Fábio Fernandes Villela (e-mail: fabiofernandesvillela@gmail.com)

    Até lá, saudações, Prof. Fábio Fernandes Villela.

    APOIO:

    ADUNESP – Rio Preto – Associação dos Docentes da Universidade Estadual  Paulista

    CAPED – Centro Acadêmico “Wilson Cantoni” da Pedagogia – Ibilce – Unesp – Rio Preto

    CPT  -  Comissão Pastoral da Terra – Promissão – SP

    DAF – Diretório Acadêmico da Filosofia – Unesp – Rio Preto

    NARA-RP – Núcleo Ação pela Reforma Agrária – Rio Preto

  • Luiz Beltrame – 104 anos – o Poeta do Assentamento Reunidas – Promissão – SP

    Date: 2012.10.15 | Category: CECMundoRural | Response: 0

    Luiz Beltrame, poeta e lavrador aposentado, nessa belíssima foto de Orlando Brito

    “Eu estava lá em São Paulo
    Quando aqui cheguei
    Veio adiante de mim
    Coisa que eu nem pensei
    Mandaram me perguntar
    O que é que eu achei
    Pensei um poquim pra dizer
    Foi o MST”

    Seu Luiz Beltrame, poeta e militante do MST do estado de São Paulo, chega aos 104 anos com lucidez e saúde para seguir lutando.

    Nascido em Paramirim (BA) no dia 11 de outubro de 1908, trabalhou desde cedo na roça, no garimpo, na lavoura de algodão. Não frequentou a escola, tendo aprendido a ler e escrever com seu pai aos 14 anos. Em 1991 veio para o Assentamento Reunidas, em Promissão; teve oito filhos, 47 netos e outros tantos bisnetos e tataranetos.

    Em 1997 veio a ser mais conhecido entre a companheirada do Movimento, por sua participação na Marcha pela Reforma Agrária, Emprego e Justiça.

    Desde então, participou de dez marchas, escreveu dois livros, e sua história foi tema do filme Luiz Poeta, dos diretores Bruno Benedetti, Fábio Eitelberg, Patrick Torres, Pedro Biava e Rafael Stedile e vencedor do Concurso Caixa de Curtas, na categoria documentário.

    O documentário pode ser acessado em:

    http://www.youtube.com/watch?v=1Im5fBZ1BqQ

    Seu Luiz, através de seus poemas e de sua luta segue sendo, ano após ano, um exemplo para nossa militância e para a sociedade, de que nada, nem ninguém pode deter a marcha de um povo por sua libertação.

    Vida longa ao Seu Luiz Beltrame, Seu Luiz Sem Terra!

    Reelaborado a partir de Jade Percassi da página do MST.

  • Jornada Estadual de Lutas pela Reforma Agrária em São Paulo

    Date: 2012.02.20 | Category: CECMundoRural | Response: 0

    Bom Dia Amigos do Mundo Rural!

    Desde o dia 6 de fevereiro cerca de 500 famílias do MST participam da Jornada Estadual do estado de São Paulo. Dentre as ações que aconteceram ao longo dessas semanas, destacam-se as ocupações de terras nas regiões de Ribeirão Preto, no Pontal do Paranapanema e duas na regional de Promissão, além de uma marcha em São José do Rio Preto, no município de Guaraci.

    O principal objetivo da jornada, segundo Judite Santos, da direção estadual do MST, é pressionar o Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) pela não realização da Reforma Agrária no estado, tendo como base principal o ano de 2011, ao terminar sem que houvesse o assentamento de uma única família.

    “Temos vários acampamentos, algum deles com mais de cinco anos embaixo da lona e na beira das estradas. Algumas fazendas já foram desapropriadas, porém não concretizaram para fins de Reforma Agrária. O objetivo principal da jornada foi questionar a morosidade do Incra e pressioná-lo para que transforme essas áreas já desapropriadas em assentamentos de Reforma Agrária”, afirma Judite.

    Além da morosidade do Incra, outro grande problema que emperra uma maior efetividade nos processos de desapropriações de terras no estado é o poder judiciário. A estreita relação política que tal poder tem com esse setor acaba dificultando a emissão de posse de áreas que já foram destinadas à Reforma Agrária.

    “Em muitas regiões há uma série de problemas com a questão do judiciário. Muitas das áreas já desapropriadas, já pagas pelo Incra, estão travadas no judiciário. Ou seja, no momento dos juízes darem a emissão de posse da terra para o Incra, ele acaba negando. Isso interfere no processo de desapropriação, pois tem que entrar com uma série de argumentos jurídicos e retomar novamente o processo, o que muitas vezes acaba demorando até mais de um ano para que essas áreas voltem a ser definidas como áreas de Reforma Agrária”, pontua Judite.

    Um exemplo dessa aliança entre os dois setores, segundo Judite, é de uma área recentemente paga pelo Incra, na região de São José do Rio Preto, e que ao chegar na justiça federal local – uma das únicas áreas que seriam transformadas em assentamento em 2011 – foi travada pelo judiciário. No caso, o judiciário concordou com o argumento utilizado pela fazendeira, ao questionar os métodos utilizados pelo Incra em relação a produtividade da área.

    Conquista

    Até agora, a maior conquista veio com a marcha na região de São José do Rio Preto, que contou com a participação de mais de 100 pessoas. Ao pressionar o prefeito da cidade de Guaraci, Renato Azeda, conquistou-se o cancelamento momentâneo da reintegração de posse das 85 famílias que estão acampadas nas margens da estrada municipal Farid Nicolau, entre os municípios de Altair e Guaraci acampadas. Apesar de já terem conseguido a desapropriação da área, o entrave do judiciário para conceder a emissão de posse das fazendas acaba postergando a criação do assentamento.

    Avanço do agronegócio

    Entre as fazendas ocupadas, duas pertencem ao Grupo Bertin, situadas no centro-oeste paulista. A ação, além de pressionar o Incra para acelerar o processo de assentamento das famílias acampadas nas regiões de Iaras e Promissão, visa questionar a expansão e concentração de terras realizada pelo agronegócio na região.

    “No caso de Bertin, são áreas de pastagem que no passado já havíamos reivindicado para a Reforma Agrária. Enquanto o agronegócio avança na região, também fazemos nossa luta para questionar e pressionar o governo para que tome uma posição. São áreas que eram improdutivas e que na época foram reivindicadas pelo Movimento, mas não foram atendidas. E hoje estão nas mãos desse grandes grupos”, salienta.

    Texto reelaborado a partir de Luiz Felipe Albuquerque da página do MST.

  • Desejo de Che se realiza na Unesp de Presidente Prudente

    Date: 2011.11.17 | Category: CECMundoRural, bernardo mançano | Response: 0

    O desejo de Che de “que a universidade se pinte de negro, de mulato, de operário, de camponês” se realizou na Universidade Estadual Paulista (UNESP): 45 militantes da Via Campesina receberam na última sexta-feira (11/11) o diploma de bacharelado e licenciatura em Geografia pela Universidade Estadual Julio de Mesquita Filho (UNESP), campus de Presidente Prudente (SP).

    A turma, batizada de Milton Santos, em homenagem ao geógrafo brasileiro, teve início em 2007, numa parceria da UNESP com o Pronera (Programa Nacional de Educação na Reforma Agrária), do  Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), a Escola Nacional Florestan Fernandes (ENFF) e a Via Campesina. O formato do curso foi adaptado à realidade da militância, composto de duas etapas anuais: uma realizada em janeiro e fevereiro, na UNESP, e outra em julho e agosto, na ENFF.

    “O nosso curso é considerado especial pelo sistema de alternância. Nosso tempo se dividia em tempo escola (período das aulas), e o tempo comunidade, onde continuávamos nossa militância, trabalho e estudo. Pois a Via Campesina tem como princípio que para estudar não devemos nos afastar da realidade, dos espaços da luta”, conta Ivanei Dalla Costa, militante do Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB) e participante do curso.

    Os coordenadores do curso pela UNESP, Antonio Thomaz Jr. e Bernardo Mançano, descrevem o processo de criação do curso como “uma verdadeira batalha campal” travada dentro da burocracia da universidade. Porém, com a sensibilidade e clareza de muitos diretores, foi possível que este projeto fosse aprovado.

    “Nos restava esclarecer para tentar atrair os indecisos e convencer os discordantes que o projeto era importante e de alcance inédito para a UNESP, pois concretamente, estávamos diante da possibilidade de participarmos de um processo de aprendizado e aproximação com uma parcela da sociedade alijada da universidade, envolvida em lutas importantes que se somam aos princípios da universidade pública”, afirmou o professor Thomaz em discurso no ato de colação de grau da turma.

    Além de militantes da Via Campesina, (do MST, MPA, MAB, PJR), também participaram do curso integrantes das Escolas da Família Agrícola, da Consulta Popular, da Educafro e do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST).

    “Temos a certeza que a possibilidade deste curso de geografia, e de muitos outros que estão sendo realizados em diversos lugares do país, é resultado de muita luta, de muitas ocupações de terra feitas por este Brasil afora. O acesso ao conhecimento nos espaços das melhores universidades públicas do Brasil é um direito que temos e aos poucos vamos conquistando”, afirmou Ivanei, em discurso como representante da turma no ato de colação de grau.

    Texto reelaborado a partir de: http://www.mst.org.br/Militantes-da-Via-Campesina-conquistam-diploma-em-geografia-pela-UNESP

  • 30 Anos do Jornal Sem Terra: Assine!

    Date: 2011.11.02 | Category: CECMundoRural | Response: 0

     

    Boa Tarde Amig@s do MundoRural!

    O Jornal Sem Terra está completando 30 anos. Ele é o precursor das atividades de comunicação do MST. Surgiu em maio de 1981, no acampamento Encruzilhada Natalino, no Rio Grande de Sul. Quando o acampamento foi tornado área de segurança nacional pelo regime militar e cercado pelo Exército, as famílias acampadas procuraram uma forma para romper o cerco, físico e político, imposto pela ditadura militar e criaram o Boletim Sem Terra.

    O objetivo era informar a sociedade sobre a realidade das famílias acampadas e conquistar solidariedade à luta pela Reforma Agrária. Em 1984, no primeiro Encontro Nacional do MST, em Cascavel, o Boletim que já possuía o formato de Jornal foi declarado órgão oficial da organização e a circulação passou a ser nacional.

    A principal função do JST é ser um veículo de informação e formação dos trabalhadores rurais. Em relação à informação, busca atender a duas necessidades: divulgar à sociedade as lutas, avanços e conquistas dos trabalhadores rurais e levar ao conhecimento dos Sem Terra as lutas que ocorrem em todo o país.

    Simbologia

    O Jornal Sem Terra representa uma grande conquista na história do MST, pois surgiu antes mesmo da criação oficial do Movimento e no decorrer dos anos se consolidou como um instrumento de comunicação fundamental na unificação das ações nacionais da luta pela terra.

    Nesses 27 anos de luta do MST, o JST se tornou o principal veículo de comunicação para informar a sociedade sobre as lutas do Movimento e levar informações sobre as lutas nos estados para toda a base do Movimento, em todo o país.

    Precisamos transformar o Jornal em um instrumento pedagógico de formação e informação para toda a base do MST, resgatando a mística da leitura e dos zeladores do JST, em todos os espaços do Movimento; reuniões, cursos, encontros, escolas, centros de formação, assentamentos e acampamentos, etc.

    Todas e todos os Sem Terra precisam assinar o Jornal, garantindo a sua sustentação e tornando-o uma fonte indispensável de leitura e ferramenta fundamental de luta.

    É fundamental garantirmos que todos os militantes, dirigentes e profissionais,
    como, por exemplo, técnicos, advogados, educadores, entre outros, que estão nas instâncias e nos espaços de luta do movimento assinem o JST. Além disso, não devemos perder a perspectiva de que buscar assinantes para os nossos meios de comunicação. 

    Encarte especial marca 30 anos do JST

    Faça o download do selo da campanha

    Conheça o Jornal Sem Terra. Leia as últimas edições

    Assine o Jornal Sem Terra

Nuvem de tags

arte naif arte primitiva moderna assentamento assentamento reunidas assentamentos de reforma agrária campanha fechar escola é crime campanha permanente contra o uso de agrotóxicos e pela vida centro de estudos e culturas do mundo rural cooperativismo educar a cidade educação básica educação cooperativa educação cooperativa e novas tecnologias educação do campo educação patrimonial enff fome fábio fernandes villela fábio villela ibilce insegurança alimentar mst mundo rural música caipira música sertaneja orgulho caipira patrimônio agroindustrial patrimônio histórico pedagogia da viola pedagogia da viola caipira prevenção ao bullying escolar proex projeto de extensão promissão - sp reforma agrária rio preto rio preto - sp segurança alimentar sociologia da educação sociologia rural são josé do rio preto - sp trabalho e educação trabalho no século xxi unesp viola caipira

Categorias

Agenda

dezembro 2017
S T Q Q S S D
« nov    
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031

Lista de Links

Tópicos recentes

Pesquisar