Posts Tagged ‘cuca sítio’

  • Halloween: Dia das Bruxas? Não, Dia da Coca!

    Date: 2011.10.26 | Category: CECMundoRural | Response: 0

    Ficheiro:Cucaferadetarragona.JPG

    Cuca Fera de Tarragona – Espanha

    A coca é um ser mítico, uma espécie de fantasma, bruxa ou bicho-papão com que se assustam meninos. Embora não tenha uma aparência definida, este ser assustador tinha uma representação figurada, a sua cabeça era uma espécie de abóbora ou cabaça da qual saía luz (ou fogo). A representação da coca era feita com uma panela ou abóbora oca em que se faziam três ou quatro buracos, imitando olhos, nariz e boca, e em que se colocava uma luz dentro e deixava-se, durante a noite, num lugar bem escuro para assustar crianças e pessoas que passavam [1].

    A coca é um ser feminino, o equivalente masculino é o coco embora ambos acabem por ser dois aspectos do mesmo ser, e confundem-se um com o outro na sua representação e no seu papel de assustar meninos; como nenhum destes seres tem uma forma definida toma-se um pelo outro.

    Ficheiro:Jack-o'-Lantern 2003-10-31.jpg

    Abóbora iluminada

    No Minho esta máscara que se faz com a casca de uma abóbora é chamada de coco [2]. Na antiga Beira Alta era costume os rapazes levarem espetada num pau, como símbolo das almas do outro mundo, uma abóbora esculpida em forma de cara, com uma vela acesa dentro, lembrando uma caveira [3]. Segundo Rafael Loureiro, a tradição de esculpir abóboras com rostos é uma tradição milenar na Península Ibérica que remonta ao tempo dos celtiberos [4], um costume parecido ao que Diodoro Sículo atribuía aos guerreiros Iberos na batalha de Selinunte em 469 a. C., que penduravam nas lanças as cabeças dos inimigos [5].

    “O costume outonal e infantil de esvaziar abóboras e talhar na sua casca olhos, nariz e boca buscando uma expressão tétrica, longe de ser uma tradição importada por um recente mimetismo cultural americanizante, é um rasgo cultural antiquíssimo na Península Ibérica” ~ Rafael Loureiro.

    Esta tradição estaria ainda relacionada com o culto celta das “cabeças cortadas” na península Ibérica [6] [7]

    Ficheiro:Cabeza cortada castrexa.jpg

    A Festa da Coca

    No norte de Portugal, a coca é representada por um dragão com escamas. Na vila de Monção, conhecida como a terra da “coca”, ela é chamada de “santa coca” ou “coca rabixa”. Na festa do dia do Corpus Christi a coca é o dragão que luta com São Jorge na representação da lenda de São Jorge e o dragão. Há referências à Festa da Coca desde o século XVI.

    Após a Procissão do Corpo de Deus, o povo reúne-se no Campo do Souto, antigas instalações do caminho de ferro. O combate das Festas do Corpo de Deus decorre num anfiteatro em terra batida construído em paralelo ao troço que chegou a ser aberto até São Gregório. A coca (o dragão) – uma estrutura de madeira com um homem no interior – e um cavaleiro representando S. Jorge, com uma capa vermelha, elmo e lança, iniciam a “luta”. A coca é empurrada, contra o cavalo, enquanto o cavaleiro tenta enfiar a lança na mandíbula da fera. São Jorge tenta lançar um golpe sobre a orelha da coca. A coca sem a orelha perde a força.

    “A tal Coca é um monstro em figura de dragão. É de arcos , cobertos de lona, e rodas por baixo, sobre as quais marcha e contra marcha. Tem asas, pontas, e uma grande cauda retorcida. A boca é de molas, e, para que se abra e feche, atam-lhe uma corda porque puxam atrás os homens que fazem andar o dragão para meter medo ao cavalo. Esta luta de São Jorge com a santa Coca é a que mais embasbaca o povo.”[8]

    Segundo a lenda , quando o cavaleiro ganha, o ano agrícola é fértil; quando é a Coca que vence o ano agrícola é mau.[9]

    A mais antiga referência à Coca surge no Livro 3 de Doações de D. Afonso III, ano de C. de 1274:

    “E se per ventura algua Balea ou Baleato ou serea ou coca ou Roaz ou Musaranha ou outro pescado grande que semelhe algun destes morrer em Sesimbra ou em Silves ou em outros lugares da Ordin de El Rey.[]” [10]

    Ficheiro:Coca21.jpg

    Literatura

    Na literatura oral a coca é tema das cantigas de embalar, tal como o bicho-papão que rouba criancinhas ou a Maria-da-Manta que tem fogo nos olhos, é um ser que assusta as crianças, está sempre à espreita (está sempre à coca), e impede que o sono chegue. O sono é muitas vezes personificado por um outro ser mítico, o João Pestana.

    “Vai-te coca vai-te coca

    Para cima do telhado

    Deixa dormir o menino

    Um soninho descansado.”

    “os nossos lhe chamaram coco”~João de Barros

    No Auto da Barca do Purgatório (1518), de Gil Vicente, um menino identifica o diabo como o “coco” [11]:

    “Mãe e o coco está ali

    queres vós estar quedo co’ele?

    Demo: Passa passa tu per i.

    Menino: E vós quereis dar em mi

    Ó demo que o trouxe ele.”

    Nas Décadas da Ásia (1563), João de Barros descreve como o nome do coco (fruto), teve origem nesta tradição [12]:

    “[...] por razão da qual figura, sem ser figura, os nossos lhe chamaram coco,

    nome imposto pelas mulheres a qualquer cousa, com que querem fazer medo às crianças,

    o qual nome assi lhe ficou[...]”

    Rafael Bluteau, no primeiro dicionário da língua portuguesa o Vocabulario Portuguez e Latino (1712) define o coco e a coca como caveiras:

    “O Coco ou a Coca. Usamos destas palavras, para pôr medo aos meninos, porque a segunda casca do Coco tem na sua superfície três buracos com feição de caveira.“ [13]

    Ficheiro:Coconut.jpg

    A Cuca Fera da Catalunha

    Na Catalunha este ser é chamado de “cuca” ou “cucafera” e é frequentemente representada por um dragão.

    Na Galiza a coca é representada por um dragão e o dia da coca é celebrado em Redondela no dia do Corpus Christi. A representação da coca, com uma abóbora iluminada, faz parte do património imaterial galego-português[14]. Na Galiza é tema na festa das caliveras, ou samaín[15], e assume vários nomes[16]: calacús, caveiras de melón, calabazotes, colondros etc.[17] Em Ribadeo o coco e a coca são representados por dois gigantes.[18][19] O mito do coco também se espalhou pelos países de língua castelhana e, segundo o dicionário da Real Academia Espanhola[20], “el coco” (também chamado de “el cuco”) teve origem no fantasma português: “(Del port. côco, fantasma que lleva una calabaza vacía, a modo de cabeza). Fantasma con que se mete miedo a los niños”[21].

    Nos Estados Unidos, a abóbora decorada é chamada de Jack-o’-lantern, nome de um personagem do folclore europeu de países de língua inglesa.

    Referências

     [1] Figueiredo, Cândido. Pequeno Dicionário da Língua Portuguesa. Livraria Bertrand. Lisboa 1940

    [2] Corpo de Deus Portal Municipal de Monção

    [3] Beira Alta‎ – Assembleia Distrital de Viseu, Junta de Província da Beira Alta, Arquivo Provincial (Beira Alta, Portugal), Junta Distrital de Viseu, Arquivo Distrital (Viseu, Portugal) – Beira Alta (Portugal) – 1946. Pg 296

    [4] Pasado y presente de los estudios Celtas. Las calaveras de ánimas en la Península Ibérica pg 449

    [5] La creencia en la ultratumba en la Hispania romana a través de sus monumentos pg 4

    [6] As caveiras de colondros e o tempo de Samaín pg 6

    [7] Las «cabezas cortadas» en la Península Ibérica

    [8] Almanach de lembranças Luso-Brazileiro para o anno de 1867. pg 227

    [9] Festa da Coca anima Monção

    [10] d’Azevedo, Pedro. Revista Lusitana.Miscelânia. Volume IV Antiga Casa Bertrand, 1896

    [11] Vicente, Gil. Auto da Barca do Purgatório (1518).

    [12] Barros, João de. Da Ásia de João de Barros e de Diogo do Couto: dos feitos que os portugueses fizeram no descobrimento dos mares e terras do Oriente. Década Terceira. Lisboa: Na Régia Officina Typografica, 1777-1788 (Biblioteca Nacional Digital)

    [13] Dalgado, Sebastião. Glossário luso-asiático, Volume 1 pg 291

    [14] Património Imaterial galego-português

    [15] Loureiro, Rafael. Samaín: A Festa das Caliveras

    [16] Cabazas do País. culturagalega.org

    [17] Loureiro, Rafael. Samaín. Vieiros da escola, nº10

    [18] [1]

    [19] [2]

    [20] Diccionario de la lengua Española

    [21] Coco2

    Texto retirado da Wikipédia.

Nuvem de tags

arte naif arte primitiva moderna assentamento assentamento reunidas assentamentos de reforma agrária campanha fechar escola é crime campanha permanente contra o uso de agrotóxicos e pela vida centro de estudos e culturas do mundo rural civilização do milho cooperativismo educar a cidade educação básica educação cooperativa educação cooperativa e novas tecnologias educação do campo educação patrimonial enff fome fábio fernandes villela fábio villela ibilce insegurança alimentar mst mundo rural música caipira música sertaneja orgulho caipira patrimônio agroindustrial patrimônio histórico pedagogia da viola pedagogia da viola caipira proex projeto de extensão promissão - sp reforma agrária rio preto rio preto - sp segurança alimentar sociologia da educação sociologia rural são josé do rio preto - sp trabalho e educação trabalho no século xxi unesp viola caipira

Categorias

Agenda

julho 2019
S T Q Q S S D
« jun    
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031  

Lista de Links

Tópicos recentes

Pesquisar