• Excursão Didática 2016: Escola Nacional Florestan Fernandes – ENFF

    Date: 2016.07.08 | Category: CECMundoRural | Response: 0

    074

    (Escola Nacional Florestan Fernandes  – ENFF  Guararema – São Paulo – SP – Brasil)

    Bom Dia Querid@s Alun@s! Tudo bem?

    Situada em Guararema (a 70 km de São Paulo), a Escola Nacional Florestan Fernandes foi construída, entre os anos 2000 e 2005, graças ao trabalho voluntário de pelo menos mil trabalhadores sem terra e simpatizantes. Nos cinco primeiros anos de sua existência, passaram pela escola 16 mil militantes e quadros dos movimentos sociais do Brasil, da América Latina e da África. Não se trata, portanto, de uma “escola do MST”, mas de um patrimônio de todos os trabalhadores comprometidos com um projeto de transformação social. Entretanto, no momento em que o MST é obrigado a mobilizar as suas energias para resistir aos ataques implacáveis dos donos do capital, a escola torna-se carente de recursos.  Nós não podemos permitir, sequer tolerar a ideia de que ela interrompa ou sequer diminua o ritmo de suas atividades.

    A escola oferece cursos de nível superior, ministrados por mais de 500 professores, nas áreas de Filosofia Política, Teoria do Conhecimento, Sociologia Rural, Economia Política da Agricultura, História Social do Brasil, Conjuntura Internacional, Administração e Gestão Social, Educação do Campo e Estudos Latino-americanos. Além disso, cursos de especialização, em convênio com outras universidades (por exemplo, Direito e Comunicação no campo).

    O acervo de sua biblioteca, formado com base em doações, conta hoje com mais de 40 mil volumes impressos, além de conteúdos com suporte em outros tipos de mídia. Para assegurar a possibilidade de participação das mulheres, foram construídas creches (as cirandas), onde os filhos permanecem enquanto as mães estudam.

    Página Facebook da ENFF:

    https://www.facebook.com/pages/ENFF-Escola-Nacional-Florestan-Fernandes/407714382684863

    Vídeo sobre a ENFF no Youtube:

    https://www.youtube.com/watch?v=5HfY1jbaifc

    Vídeo sobre os Sem Terrinhas:

    https://www.youtube.com/watch?v=CQF6a838wD0

    A Mística do MST:

    https://www.youtube.com/watch?v=oTsAMvffccE

    Segue abaixo o informe e programação da excursão didática à Escola Nacional Florestan Fernandes  – ENFF. Saudações, Prof. Fábio Fernandes Villela.

    ***

    Car@s Alun@s da Pedagogia Ibilce/Unesp-Rio Preto,

    Estamos organizando a excursão didática dos alunos da Pedagogia e Letras do Ibilce/Unesp – São José do Rio Preto à Escola Nacional Florestan Fernandes, [ data a ser definida ].

    Para quem ainda não conhece esse projeto, a visita vai colocá-lo diante de uma nova realidade concreta, construída, de forma voluntária e coletiva, pelos próprios alunos, que aponta para um futuro no qual a dignidade do ser humano não será mais privilégio de poucos.

    Além disso, você vai compreender que a Escola não é um projeto acabado, é um projeto em construção e sua visita tem também a intencionalidade de convidá-l@ a participar dessa construção. Sem você, sem todos nós, esse projeto não é possível.

    A despesa do aluno será de R$ 25,00, valor repassado para a ENFF para contemplar custos com café da manhã e almoço.

    Haverá um ônibus para a viagem da Unesp/Rio Preto-ENFF-Unesp/Rio Preto, [ data a ser definida ], em frente ao saguão principal do Ibilce/Unesp-Rio Preto.

    A excursão didática será monitorada por companheir@s da ENFF e do NARA-RP (Núcleo de Ação pela Reforma Agrária de São José do Rio Preto). Assim, solicitamos que você confirme sua presença, enviando nome completo e RG para o endereço eletrônico: fabio@fabiofernandesvillela.pro.br, até [ data a ser definida ].

    Programação na ENFF:

    8 às 9 horas:  Chegada, recepção e café

    9 às 12 horas:  Exibição do vídeo “ENFF – Uma Escola em Construção”, Apresentação do projeto da ENFF e da Associação dos Amigos da ENFF, Debate

    12 às 13 horas:  Almoço

    13 às 14 horas:  Visita monitorada às instalações da ENFF.

    14 às 15 horas:  Momento de solidariedade, depoimentos e mística de encerramento (coordenado pelos companheir@s do NARA-RP – Núcleo de Ação pela Reforma Agrária de São José do Rio Preto – SP).

    16 horas:  Retorno para São José do Rio Preto – SP.

    ***

    Seja um sócio da Associação de Amigos da Escola Nacional Florestan Fernandes.

    Rua da Abolição nº 167 – Bela Vista

    São Paulo – SP – Brasil – CEP 01319-030

    Telefone: (11) 3105-0918

    Celular: (11) 99454-9030

    Email: associacao@amigosenff.org.br

  • 4º Congresso de Educação de Jovens e Adultos UNESP

    Date: 2016.06.27 | Category: CECMundoRural | Response: 0

    Bom dia amig@s da Educação de Jovens e Adultos – EJA!

    Convidamos a tod@s para o  4º Congresso de Educação de Jovens e Adultos UNESP: Educação de Jovens e Adultos no Século XXI: Demandas, Políticas e Práticas, Unesp – São José do Rio Preto – 26 a 28 de setembro de 2016. Local: Auditório C, Instituto de Biociências, Letras e Ciências Exatas – IBILCE, Universidade Estadual Paulista – Júlio de Mesquita Filho – UNESP, Rua Cristóvão Colombo, 2265 – Jd.Nazareth – Fone (17) 3221-2318 – CEP. 15054-000 – São José do Rio Preto – SP.

    Segue abaixo as informações. Até lá, Prof. Fábio Villela.

    1 – O Congresso

    O Projeto de Educação de Jovens e Adultos (PEJA) foi criado na UNESP no ano de 2000, na época vinculado ao Programa UNESP de Integração Social Comunitária, da Pró-Reitoria de Extensão Universitária – PROEX, com o objetivo de estabelecer uma política pública para a educação de jovens e adultos, buscando parcerias comunitárias locais e visando à contribuição de recursos para a formação de cidadãos – leitores críticos e participativos, bem como a de professores com a visão de “Educadores Populares”.

    Atualmente o PEJA é desenvolvido em oito Campus Universitários da UNESP, Araçatuba, Araraquara, Assis, Bauru, Marília, Presidente Prudente, Rio Claro e São José do Rio Preto contanto com  recursos humanos e materiais para envolvimento com os trabalhos que viabilizem atingir os objetivos do mesmo.

    No ano de 2010, o PEJA completa 10 anos e na época foi realizado o 1º Congresso de Educação de Jovens e Adultos, sediado no Campus de Marília com o objetivo de oportunizar um espaço para discussão dos avanços que o PEJA e demais pesquisadores e extensionistas da área da EJA alcançaram nas últimas décadas.

    Os resultados deste primeiro congresso conduziram a realização de uma nova edição no ano de 2012, agora acolhido no Campus de Rio Claro. Nesta edição os objetivos propostos no congresso anterior tiveram continuidade culminando com a proposição da realização desta terceira versão no ano de 2014, agora no Campus de Bauru.

    O 3º Congresso aconteceu nos dias 12, 13 e 14 de setembro de 2014, promovido pela Universidade Estadual Júlio de Mesquita Filho (UNESP), campus de Bauru. Neste ano de 2016 ocorrerá o 4º Congresso de Educação de Jovens e Adultos na Unesp de São José do Rio Preto. Este evento busca promover o debate teórico, critico e cultural da Educação de Jovens e Adultos entre docentes, discentes, funcionários, administradores e pesquisadores educacionais, propiciando sua troca de experiências e contato interpessoal.

    As reflexões propostas durante o evento em formato de mesas redondas, conferências, minicursos, apresentação de trabalhos e atividades culturais colocam em questão a educação de jovens e adultos no século XXI, com suas demandas, políticas e práticas.

    Desejamos a todos um ótimo Congresso! Comissão Organizadora.

    2 – Programação

    26/09/2016 – Segunda-Feira

    8h30 – Credenciamento / Entrega de Material (Local: Auditório C)

    12h – Almoço (Local: Adunesp)

    14h – MESA DE ABERTURA (Local: Auditório C)

    Profª. Drª. Maria Tercília Vilela de Azeredo Oliveira (Diretora do IBILCE / UNESP / Rio Preto) e Prof. Dr. Julio César Torres (Coordenador do Curso de Pedagogia do IBILCE / UNESP / Rio Preto)

    Coordenação: Prof. Dr. Fábio Fernandes Villela (UNESP / Rio Preto)

    14h30 – CONFERÊNCIA DE ABERTURA (Auditório C)

    Tema: Educação de Jovens e Adultos no Século XXI: Demandas, Políticas e Práticas

    Palestrantes: Profa. Dra. Telma Antonia Marques Vieira (Secretária de Educação / SME / São José do Rio Preto)

    Coordenação: Prof. Dr. Fábio Fernandes Villela

    16h – Café e Apresentação Cultural (Local: Adunesp)

    16h30 – MESA REDONDA 1 (Local: Auditório C)

    Tema: A Extensão Universitária e a Educação de Jovens e Adultos

    Palestrantes: Profa. Dra. Mariângela Spotti Lopes Fujita (Pró-Reitora Extensão Universitária – PROEX / UNESP) e Coordenadores do PEJA – UNESP (Presidente Prudente, Marília, Assis, São José do Rio Preto, Rio Claro, Araraquara e Bauru)

    19h – Jantar (Local: Adunesp)

    20h – COLÓQUIO PIBID (Auditório C)

    Tema: Avanços na Relação Escola Pública Universidade

    Mediação: Prof. Dr. Francisco José Carvalho Mazzeu (FCL/ UNESP / Araraquara)

    27/09/2016 – Terça-Feira

    8h – Oficinas / Mini-Cursos (Local: a definir)

    10h – Café (Local: Adunesp)

    10h30 – MESA REDONDA 2 (Local: Auditório C)

    Tema: A Centralidade do Trabalho na Educação de Jovens e Adultos

    Palestrantes: Profa. Dra. Maria Peregrina de Fátima Rotta Furlanetti (UNESP / Presidente Prudente) e Profª. Drª. Jarina Rodrigues Fernandes (UFSCar)

    Mediação: Prof. Dr. Francisco José Carvalho Mazzeu (FCL/ UNESP / Araraquara)

    13h – Apresentação de Trabalhos – Comunicação Oral

    15h:30 – Café (Local: Adunesp)

    16h – Apresentação de Trabalho – Comunicação Oral

    19h – Jantar (Local: Adunesp)

    20h – Apresentação de Pôster (Local: Adunesp)

    21h- Atividade Cultural / Lançamento de Livros (Auditório C)

    28/09/2016 – Quarta-Feira

    7h30 – Café da Manhã (Local: Adunesp)

    8h30 – MESA REDONDA 3 (Local: Auditório C)

    Tema: Caminhos e Desafios da Formação de Educadores de Jovens e Adultos

    Palestrantes: Profª. Drª. Roseli Rodrigues de Mello e Prof. Dr. Leôncio José Gomes Soares (UFMG)

    Mediação: Profª. Drª. Maria Rosa Rodrigues Martins de Camargo

    10h – Café (Local: Adunesp)

    10h30 – Apresentação de Vídeos e Produções sobre a EJA (Local: Auditório C)

    12h – Almoço (Local: Adunesp)

    13h30 – Apresentação Cultural / Lançamento de Livros (Local: Auditório C)

    14h – CONFERÊNCIA DE ENCERRAMENTO (Local: Auditório C)

    Tema: As Noites da Ditadura e os Dias de Utopia… o Exílio, a Educação e os Percursos de Elza Freire

    Palestrante: Profª. Drª. Nima Imaculada Spigolon (FE / UNICAMP)

    Mediação: Prof. Dr. Fábio Fernandes Villela (IBILCE / UNESP / S. J. Rio Preto)

    16h – Avaliação e definição do local do 5º Congresso de Educação de Jovens e Adultos

    16h30 – Café (Local: Adunesp)

    OBS. Programação sujeita a alterações.

    3 – Normas para envio de trabalho

    Prazo para inscrição com submissão de trabalhos: até 15 de agosto 2016.

    Durante o 4º Congresso de Educação de Jovens e Adultos da UNESP podem ser apresentados resultados de pesquisas em andamento ou concluídas e/ou relatos de experiências pedagógicas que tenham como temática central a educação de jovens e adultos.

    Poderão inscrever trabalhos: docentes, profissionais, alunos de graduação e de pós-graduação.

    Cada participante inscrito no Congresso poderá submeter um trabalho como autor principal e até dois trabalhos como co-autor para avaliação da Comissão Científica. A submissão de trabalhos está condicionada à prévia inscrição no evento.

    Os trabalhos podem ser inscritos para a apresentação em sessões de comunicação oral, pôster ou vídeo de até 10 minutos. O mesmo autor pode inscrever trabalho em mais de uma modalidade.

    Será fornecido certificado online de participação somente aos autores que estiverem inscritos no evento e seus trabalhos apresentados.

    Os trabalhos, devidamente identificados, deverão ser enviados para o e-mail congressoeja2016@gmail.com junto com a ficha de inscrição devidamente preenchida.

    O Assunto da mensagem deve estar assim nomeado “Inscrição_Nome_do_Congressista” e no corpo da mensagem deve constar o(s) Título do(s) trabalho(s) em anexo e os respectivos co-autores (quando houver).

    Para a apresentação em comunicação oral, salvar o arquivo em formato (.doc) assim nomeado: “Comunicação_Título_do_trabalho_Nome do 1º autor”

    Para a apresentação em pôster, salvar o arquivo em formato (.doc) assim nomeado: “Poster_Título_do_Pôster_Nome do 1º autor”

    Para a apresentação de vídeo, salvar o arquivo em um dos formatos que contam nestas orientações, assim nomeado: “Video_Título_do_Vídeo_Nome do 1º autor”. Enviar pelo GoogleDrive e compartilhar.

    Para envio do resumo do vídeo, salvar o arquivo em formato (.doc) assim nomeado: “Resumo_video_Título_do_vídeo”

    A relação dos trabalhos aprovados estará disponível no site do evento a partir do dia 15 de agosto de 2016.

    Normas para apresentação de comunicação oral e/ou pôster

    Os textos completos encaminhados deverão ser formatados nas normas da ABNT e serão submetidos à avaliação da Comissão Científica que decidirá sobre sua aceitação segundo os critérios de pertinência e qualidade.

    A Comissão Científica encarregar-se-á de organizar as mesas para apresentação sob a forma de comunicação oral ou exposição sob a forma de pôsteres, reunindo trabalhos de temas correlatos. Cada mesa contará com um Coordenador.

    O texto deverá conter entre 8 e 15 páginas, com as seguintes especificações:

    a. Papel tamanho A4;

    b. Margem superior e inferior com 2,5 cm;

    c. Margem esquerda e direita com 3,0 cm;

    d Fonte: Times New Roman;

    e. Tamanho 12 cm;

    f. Espaçamento entre linhas: 1,5 cm;

    g. As páginas deverão ser numeradas na parte superior da folha, à direita;

    h. O título do trabalho deverá ser escrito com fonte maiúscula, em negrito, e alinhamento centralizado;

    i. Após o título do trabalho, contando dois espaços, deve-se inserir, em alinhamento à direita, o(s) nome(s) do autor(es) e co- autor(es), sublinhando o nome do apresentador do trabalho. Indicar a instituição de origem do autor e o correio eletrônico.

    j. Após o(s) nome(s) do autor(es), contando dois espaços, deve-se inserir o resumo do trabalho contendo: introdução, desenvolvimento, principais resultados ou conclusões e palavras-chave (entre três a cinco palavras). Os resumos deverão ser digitados em espaço simples, tamanho de letra 10, com até 1.300 caracteres (com espaço), sem citações e referências, alinhamento justificado, em bloco único de texto, sem parágrafo e linhas em branco.

    k. Após o resumo, contando dois espaços, deve-se inserir o texto na integra, sem a utilização de notas de rodapé, com alinhamento justificado. As citações contidas no interior do texto, bem como as referências deverão estar em consonância com a NBR - 6023/2002. Quadros, tabelas, gráficos, figuras (fotografia ou desenho) indicadas no texto deverão estar dispostas no final do texto antes das referências com indicação da fonte, quando houver.

    Os textos e resumos aprovados pelo comitê científico serão publicados nos ANAIS do Congresso.

    Atenção: Os trabalhos deverão passar por uma rigorosa revisão de português e atender às normas da NBR - 6023/2002. Não serão aceitos trabalhos incompletos ou fora das especificações.

    Condições para apresentação da Comunicação Oral e/ou Pôsteres

    a) Retratar a Educação de Jovens e Adultos;

    b) Apresentar resultados parciais ou finais de pesquisas ou ainda relatos de experiências;

    c) Ter no máximo três autores;

    d) Estar formatado nas normas da ABNT.

    Estrutura gráfica dos pôsteres:

    Os pôsteres deverão conter os seguintes itens: título, nome(s) do(s) expositor(es) e da(s) instituição(ões), introdução, problema/questões, objetivos, metodologia, resultados e/ou conclusões.

    A medida do pôster não deve ultrapassar 1,20m de altura e 0,90m de largura.

    É de responsabilidade do autor participante trazer o pôster impresso para ser afixado quando aprovado.

    Ficará a cargo do Comitê Científico decidir sobre aceitação ou não dos pôsteres bem como a organização das sessões de apresentação, sendo que não serão aceitos pôsteres que estiverem fora da especificação indicada.

    Avaliação dos trabalhos de comunicação oral e pôsteres:

    Os trabalhos enviados serão avaliados pela Comissão Científica do evento, que considerará a relevância e a pertinência do trabalho proposto com a temática do evento.

    A avaliação das propostas de comunicação oral e pôster irão considerar os seguintes critérios:

    1- Interlocução e contribuições para a Educação de Jovens e Adultos;
    2- Coerência com os objetivos propostos;
    3- Considerações ou conclusões coerentes com o desenvolvimento do trabalho;

    ATENÇÃO: Não serão avaliados trabalhos que não atenderem aos critérios de formatação, principalmente limite de páginas.

    4 – Inscrições

    Orientações Importantes

    a) A opção de inscrição com hospedagem e alimentação é exclusiva do participante.

    b) Os valores referem-se a inscrição de um único congressista, para os 3 dias do Congresso.

    c) Caso o congressista tenha inscrito trabalho (comunicação oral, pôster ou vídeo) deverá obrigatoriamente preencher a segunda folha desta ficha de inscrição.

    d) O pagamento da inscrição deve ser feito por meio de deposito bancário no Banco do Brasil, Agencia: 5801 – 7, Conta Corrente: 14 687 – 0, Titular: Fábio Fernandes Villela

    e) O comprovante de depósito deverá ser escaneado/digitalizado ou fotografado.

    f) Após preencher, esta ficha deverá ser enviada para o e-mail: congressoeja2016@gmail.com juntamente com o comprovante de deposito de pagamento de inscrição digitalizado.

    DADOS CADASTRAIS

    Nome:

    Instituição/Escola:

    e-mail :

    Tel: Celular  /  Residencial  /  Comercial:

    Endereço:

    Cidade: Estado: CEP:

    OPÇÃO DE INSCRIÇÃO

    Estudantes (Grad e Pós): R$ 30,00

    Professores da Educação Básica: R$ 60,00

    Professores Universitários e demais interessados: R$ 90,00

    Trabalhos Inscritos

    Preencher os dados abaixo com o título do trabalho e nome completo dos autores sem abreviações. Conferir, pois o certificado será gerado a partir dos dados informados.

    O mesmo congressista pode apresentar mais de um trabalho em quaisquer modalidades.

    Para aceite do trabalho é preciso que pelo menos um autor esteja inscrito no congresso.

    Se necessário, incluir mais linhas.

    COMUNICAÇÃO ORAL

    Trabalho 1:

    Autor(es):

    Trabalho 2:

    Autor(es):

    PÔSTER

    Pôster  1:

    Autor(es):

    Pôster  2:

    Autor(es):

    Os trabalhos aprovados estarão disponíveis para consulta a partir de 15 de agosto de 2016

    5 – Comissões

    Comissão Organizadora

    Antonio Francisco Marques (Unesp – Bauru)
    Eliana Marques Zanata (Unesp – Bauru)
    José Carlos Miguel (Unesp – Marília)
    Fábio Fernandes Villela (Unesp – S. J. Rio Preto)
    Francisco José Carvalho Mazzeu (Unesp – Araraquara)
    Onaide Schwartz Correa de Mendonça (Unesp – Presidente Prudente)

    Maria Rosa Rodrigues Martins de Camargo (Unesp – Rio Claro)
    Ronaldo Cardoso Alves  (Unesp – Assis)

    Comissão Científica

    Ana Maria L. Daiben (Unesp – Bauru)
    Antonio Francisco Marques (Unesp – Bauru)
    Cyntia Graziella Guizelim Simões Girotto (Unesp-Marília)

    Fábio Fernandes Villela (Unesp – S. J. Rio Preto)
    Eliana Marques Zanata (Unesp – Bauru)

    Francisco José Carvalho Mazzeu (Unesp – Araraquara)
    Jarina Fernandes (UFSCar)

    José Carlos Miguel (Unesp-Marília)
    José Misael Ferreira do Vale (Unesp – Bauru)
    Loriza Lacerda de Almeida (Unesp – Bauru )
    Luciana Ponce Belido (UNESP – Araraquara)

    Luiz Gonzaga Gonçalves (UFPB)

    Maria Júlia Canazza Dal-Acqua (Unesp – Araraquara)
    Maria Peregrina de Fátima Rotta Furlanetti (Unesp – Presidente Prudente)
    Maria Rosa Rodrigues Martins de Camargo (Unesp – Rio Claro)

    Onaide Schwartz Correa de Mendonça (Unesp – Presidente Prudente)
    Poliana Santos Camargo (UNICAMP)

    Poliana S. A. Santos Camargo (USC – Universidade do Sagrado Coração e UNICAMP)

    Ronaldo Cardoso Alves  (Unesp – Assis)
    Tânia Sueli Antonelli Marcelino Brabo (Unesp-Marília)
    Vandeí Pinto da Silva (Unesp-Marília)

    6 – Apoio

    BLOG A PÁGINA DA VIDA Sidinei Ribeiro – www.apaginadavida.blogspot.com CNPq – Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico Cantina do Gil – Ibilce – Unesp – São José do Rio Preto – SP FAPERP – Fundação de Apoio à Pesquisa e Extensão de São José do Rio Preto – SP GEPEC – UFSCar – Grupo de Estudos e Pesquisas em Educação do Campo da Universidade Federal de São Carlos – SP GEPEDOC – UNESP- Rio Preto – Grupo de Estudos e Pesquisas em Educação do Campo da Unesp de S. José do Rio Preto – SP HISTEDBR – Grupo de Estudos e Pesquisas sobre História, Sociedade e Educação no Brasil – Faculdade de Educação, UNICAMP ICLS – Instituto Cultural Lyndolpho Silva PEJA – Projeto Unesp de Educação de Jovens e Adultos, UNESP – Campus São José do Rio Preto – SP PROEX – Pró-Reitoria de Cultura e Extensão, UNESP PROPE – Pró-Reitoria de Pesquisa, UNESP PROGRAD – Pró-Reitoria de Graduação, UNESP RET – Rede de Estudos do Trabalho UFSCar – Universidade Federal de São Carlos – SP UNICAMP – Universidade Estadual de Campinas – SP USP – Universidade de São Paulo, Campus de Ribeirão Preto – SP.

  • Congresso de Formação de Professores: de 11 a 13 Abril de 2016

    Date: 2016.04.10 | Category: CECMundoRural | Response: 0

    (O Homem do Futuro, 1933, Paul Klee).

    Bom dia Amig@s do Mundo Rural! Tudo bem?

    Convido a tod@s para o  III Congresso Nacional de Formação de Professores (CNFP) e o XIII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores (CEPFE) que serão realizados em Águas de Lindóia/SP, no período de 11 a 13 de abril de 2016. O tema central é “Profissão de Professor: cenários, tensões e perspectivas”.  A realização é da Pró-reitoria de Graduação da Unesp. Destaco o minicurso sobre este blog de aula Centro Virtual de Estudos e Culturas do Mundo Rural, especialmente utilizado para desenvolver tópicos da área de educação cooperativa para alunos, em situação de bullying escolar, regularmente matriculados em escolas de São José do Rio Preto – SP.

    Website do congresso:

    http://www.geci.ibilce.unesp.br/logica_de_aplicacao/site/index_1.jsp?id_evento=64

    Saudações, Prof. Fábio Villela.

  • 1° Feira Nacional da Reforma Agrária

    Date: 2015.10.22 | Category: CECMundoRural | Response: 0

    Bom dia amig@s do mundo rural!

    Estamos divulgando a 1° Feira Nacional da Reforma Agrária. Segue abaixo a chamada e um vídeo no youtube. Saudações, Prof. Fábio Fernandes Villela.

    ***

    1° Feira Nacional da Reforma Agrária

    De 22 a 25/10, mais de 500 agricultores de 23 estados mais o Distrito Federal estarão presentes na 1° Feira Nacional da Reforma Agrária no Parque da Água Branca, em São Paulo.

    A população paulistana terá acesso a toneladas de alimentos a preços populares, produzidos nas áreas de assentamentos da Reforma Agrária de todas as regiões do país.

    Além da feira, quem vier ao Parque encontrará também uma vasta programação, com shows, intervenções culturais, seminários e uma Praça de Alimentação com comidas típicas de cada região.

    A Feira também é uma oportunidade de estreitar o diálogo entre a população do campo e da cidade, mostrando a importância da Reforma Agrária na produção de alimentos saudáveis para a mesa do povo brasileiro.

    Vídeo no youtube: https://www.youtube.com/watch?v=mf1REPzfqOo&feature=youtu.be

  • Núcleo Negro da UNESP para Pesquisa e Extensão – NUPE

    Date: 2015.10.18 | Category: CECMundoRural | Response: 0

    Boa noite amig@s! Tudo bem?

    Hoje apresento para vcs o Projeto Núcleo Negro da UNESP para Pesquisa e Extensão – NUPE. O núcleo tem em vista desenvolver e estimular atividades de extensão e de pesquisa na UNESP sobre temas atinentes à questão do negro, inclusive em cooperação com outras instituições. O NUPE congrega professores, pesquisadores e alunos da UNESP envolvidos ou interessados em desenvolver pesquisas acadêmicas e atividades de extensão voltadas à questões do negro e/ou que possam subsidiar o pensamento e a discussão dessa temática. O NUPE se vincula à Pró-Reitoria de Extensão Universitária – PROEX.

    São objetivos gerais do NUPE: (1) estimular o trabalho cooperativo, na perspectiva da integração das Unidades unespianas; (2) estimular o estabelecimento de acordos com outras instituições, universidades públicas e privadas, organizações não governamentais e entidades afins, mantendo sempre sua finalidade acadêmica de pesquisa e extensão; (3) facilitar o acesso dos pesquisadores à produção científica no âmbito acadêmico e fora dele sobre a temática do negro; (4) internalizar na UNESP o estudo, a pesquisa e o debate sobre a temática do negro; (5) desenvolver mecanismos de divulgação e difusão da produção e experiência do NUPE; (5) promover o intercâmbio de âmbito nacional e internacional com outras instituições visando ao desenvolvimento do NUPE.

    São objetivos específicos do NUPE: (1) gerar conhecimento novo e relevante sobre questões relativas ao negro;(2) implantar e manter banco de dados temático; (3) divulgar por meio de publicações, eventos e internet os conhecimentos e os dados gerados ou disponíveis em decorrência do Projeto; (4) captar recursos financeiros com o desenvolvimento de pesquisa e extensão próprias, bem como administrá-los.

    O Grupo de Trabalho da UNESP de  São José do Rio Preto é constituído pelos seguintes integrantes: Alecssandro Andrade Rodrigues; Alex da Silva Cardoso; Ana Maria Klein (Coordenadora do GT – Departamento de Educação – Ibilce – Unesp – S. J. Rio Preto), Andreia Cristina Fidelis; Aparecida Saturnino M. Romero; Cláudia Maria Ceneviva Nigro; Daniela Carla Negrini; Davi Souza; Fabio Fernandes Villela; Fernanda Motta de Paula Resende; Humberto Perinelli Neto; Ivan dos Reis Miranda; Lauro Amorim; Luana Passos; Marcos Serzedello; Monica Abrantes Galindo; Regina Aparecida da Silva.

    Maiores informações entrar em contato através do e-mail: fabio@fabiofernandesvillela.pro.br

  • Programa Núcleos de Ensino da Unesp da Pró-Reitoria de Graduação – PROGRAD, Câmpus de São José do Rio Preto

    Date: 2015.09.28 | Category: CECMundoRural | Response: 0

    Bom dia amig@s do mundo rural! Tudo bem?

    Hoje deixo uma postagem sobre o Programa Núcleos de Ensino da Unesp da Pró-Reitoria de Graduação – PROGRAD. O Programa Núcleos de Ensino da Unesp da Pró-Reitoria de Graduação – PROGRAD, Câmpus de São José do Rio Preto tem por objetivos: (1) promover a parceria entre a Universidade e a escola pública; (2) incentivar o ensino e a pesquisa de caráter disciplinar ou interdisciplinar nas unidades de Educação Infantil, Fundamental e Médio do Sistema Público de Ensino; (3) promover ações educativas e inclusivas junto aos movimentos sociais; (4) apoiar a produção de material didático-pedagógico; (5) contribuir com os processos de formação inicial dos graduandos da Unesp e de formação continuada dos professores da rede pública de ensino.

    A Reitoria da Unesp criou os Núcleos Regionais de Ensino com a finalidade de defender o ensino público e gratuito da pré-escola, do 1º e 2º graus. Em cada Unidade Universitária da Unesp existe um Núcleo Regional de Ensino. Cada Núcleo tem um coordenador e um vice-coordenador escolhido por seus pares entre os professores da Unesp que tiveram projetos aprovados pela Pró-reitoria de Graduação, nos últimos dois anos. Os Núcleos de Ensino da Unesp têm por metas prioritárias a produção de conhecimento na área educacional e a formação inicial e continuada do educador, pautadas pela articulação entre ensino, pesquisa e extensão, e nos princípios da cidadania e da justiça social.

    O Núcleo de Ensino é um programa de responsabilidade da Pró-reitoria de Graduação – PROGRAD com objetivo de trabalhar com os cursos de graduação no desenvolvimento de práticas educacionais nas escolas de educação infantil, ensino fundamental e ensino médio, visando a melhoria, compreendida em termos de: (1) competência do profissional a ser formado pela Unesp; (2) competência das equipes técnico-administrativas; (3) competência dos docentes, no que diz respeito às suas tarefas de educadores, vista também pela ótica do ensino das disciplinas que lecionam, e da aprendizagem dos seus alunos; (4) desenvolvimento de programas, cursos, oficinas pedagógicas e de outras atividades relevantes à educação e ao desempenho do profissional; (5) desenvolvimento de temas significativos para a Educação e para a política educacional do Brasil; (6) estabelecer parcerias com prefeituras, diretoria de ensino, escolas estaduais e municipais, sindicatos e movimentos sociais dispostos a transformar a dinâmica da educação; (7) estimular, desenvolver e manter o trabalho em equipe e multi-equipe, no sentido de possibilitar estudos teóricos e práticos, em diferentes especialidades significativas para a Educação; (8) congregar equipes do campus universitário que desenvolvam trabalhos relativos à educação; sejam esses trabalhos subvencionados por agências de fomento ou não.

    O Programa Núcleos de Ensino do Ibilce – Unesp – São José do Rio Preto possui 14 projetos e coordenadores: (1) Meninas fazendo ciências: não provoque, é cor de rosa choque (Monica Abrantes Galindo de Oliveira); (2) Grupo de estudos e diálogos sobre Educação em Direitos Humanos e Diversidades na escola (Ana Maria Klein); (3) O Cinema no ensino da Literatura (Cláudia Maria Ceneviva Nigro); (4) Temática ambiental, Educação Ambiental e o Ensino de Ciências nas séries iniciais (Edilson Moreira de Oliveira); (5) Tecnologias na sala de aula (Eloi da Silva Feitosa); (6) Trabalhando Geometria no Ensino Fundamental com Informática e Material Concreto (Erminia de Lourdes Campello Fanti); (7) Educação Cooperativa e Novas Tecnologias: Projeto de Prevenção ao Bullying Escolar entre Jovens de Escolas de Meio Rural através do Uso de Novas Mídias Sociais (Fábio Fernandes Villela); (8) Observatório de Políticas e Práticas Inclusivas na Educação (Fernanda Motta de Paula Resende); (9) Cine em sala: o emprego de curtas metragens em sala de aula na rede municipal de ensino de São José do Rio Preto (Humberto Perinelli Neto); (10) Elaboração e aplicação de Unidades Didáticas com foco em Representação Química (Jackson Gois da Silva); (11) Repetição, Autoria e a Interpretação da Física de Partículas Elementares Mediante a Leitura de Textos (Leandro Londero da Silva); (12) Da formação continuada à formação inicial: uma intervenção no ensino (da gramática) da língua portuguesa (Lília Santos Abreu-Tardelli); (13) E ai Justino?! Atuação de agentes multiplicadores para orientação sexual entre alunos do ensino médio e fundamental (Luciana Aparecida Nogueira da Cruz); (14) A formação inicial e continuada do professor de línguas como um agente humanizador (Marta Lúcia Cabrera Kfouri Kaneoya).

    O coordenador local (2014 – 2015) dos Núcleos de Ensino é Fábio Fernandes Villela, sociólogo, professor do Departamento de Educação do Instituto de Biologia, Letras e Ciências Exatas, IBILCE, da Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” – UNESP, câmpus de São José do Rio Preto (SP). Qualquer informação adicional sobre os Núcleos de Ensino do Ibilce – Unesp – Câmpus de São José do Rio Preto, entrar em contato pelo endereço, telefone e/ou e-mail presente no website acadêmico do professor (www.fabiofernandesvillela.pro.br). Um vídeo institucional pode ser acessado em: (https://www.youtube.com/watch?v=TbqWHNgqiJA).

  • Curso de Licenciatura Plena Intercultural em Pedagogia para Educadores Indígenas

    Date: 2015.09.21 | Category: CECMundoRural | Response: 0

    Bom dia amig@s do mundo rural! Tudo bem?

    Nesta semana se encerra a etapa final de elaboração do Projeto Político Pedagógico (PPP) do Curso de Licenciatura Plena Intercultural em Pedagogia para Educadores Indígenas. Possivelmente em 2016, a Unesp iniciará o Curso de Licenciatura Plena Intercultural em Pedagogia para Educadores Indígenas no Estado de São Paulo, que vem sendo desenvolvido pela Prograd em 2014-2015. A educação escolar indígena é uma modalidade de ensino desenvolvida a partir do paradigma de respeito à interculturalidade, ao multilinguismo e a etnicidade. No Estado de São Paulo ela está direcionada aos povos indígenas Guarani, Tupi-Guarani, Terena, Kaingang e Krenak. Nesse sentido, as primeiras ações iniciaram-se com a criação do Núcleo de Educação Indígena – NEI, em 1997, pela Secretaria da Educação do Estado de São Paulo.

    Em 2012, visando maior dinamismo em políticas pedagógicas escolares específicas dos povos indígenas, as ações do NEI passaram a se concentrar no Núcleo de Inclusão Educacional – NINC, o qual tem dado continuidade à garantia de oferta de educação escolar indígena de qualidade por meio do desenvolvimento de diversas ações, dentre elas o Curso de Licenciatura Plena Intercultural em Pedagogia para Educadores Indígenas.

    No ano de 2014, a Unesp venceu o edital de projetos para oferecer o curso cujo objetivo geral é assegurar educação intercultural de qualidade em todas as escolas das comunidades indígenas do Estado de São Paulo, por meio da garantia de formação inicial em nível superior em Pedagogia, aos cursistas das comunidades pertencentes às etnias Guarani Mbya, Guarani Ñandeva, Krenak, Kaingang e Terena, para atuação na Educação Infantil, Anos Iniciais do Ensino Fundamental, prioritariamente, e para a Gestão Escolar.

    Os objetivos específicos são formar em nível superior professores indígenas que transitem entre a tradição de suas comunidades e os conhecimentos universais do currículo escolar; formar profissionais da educação aptos para a pesquisa e reflexão pedagógica e curricular; assegurar o uso das línguas indígenas, formando professores bilíngues que utilizem metodologia de ensino das duas línguas (Língua Portuguesa e Língua Indígena Materna); proporcionar aos indígenas e suas comunidades a recuperação e manutenção de suas memórias históricas e fornecer subsídios técnicos para que os futuros professores produzam material didático e pedagógico próprio.

    Participarão 257 indígenas, sendo 142 professores já atuantes e outros indicados pelas comunidades, para atuar nas escolas indígenas existentes e nas que vierem a ser criadas nas aldeias do Estado de São Paulo. A Unesp de S. J. Rio Preto, especificamente o Prof. Dr. Fábio Fernandes Villela, docente do curso de pedagogia e que desenvolve pesquisas na área de Educação do Campo, ficará responsável pelo acompanhamento das Diretorias de Ensino de Penápolis e Bauru, onde se encontram as seguintes escolas: Índia Maria Rosa (etnias Terena e Kaingang) e Aldeias Ekeruá, Kopenoti, Nimuendaju, Tereguá (etnias Terena e Guarani Nandeva), num total de 63 candidatos ao curso.

  • XII Semana de Pedagogia: Formação de Professores para a Educação do Campo

    Date: 2015.09.05 | Category: CECMundoRural | Response: 0

    Bom dia amig@s do mundo rural!

    Convite a tod@s: XII Semana de Pedagogia: Formação de Professores: Políticas Públicas, Teorias e Práticas Pedagógicas. Destaque para o minicurso no dia 24 de setembro de 2015 (quinta-feira): 1 – Formação de professores para a educação do campo com o Prof. Dr. Luiz Bezerra Neto Graduado em Filosofia / PUCCAMP e Doutorado em Educação / UNICAMP, Coordenador do Grupo de Estudos e Pesquisas sobre Educação no Campo – GEPEC / UFSCAR e Coordenador do Curso de Pedagogia da Terra / UFSCar.

    Imperdível! http://semanadepedagogiaibilce.pro.br/2015/

    Até lá, Prof. Fábio Fernandes Villela.

  • Conheça o Núcleo de Apoio à População Ribeirinha da Amazônia – NAPRA

    Date: 2015.08.28 | Category: CECMundoRural | Response: 0

    Bom dia amig@s do Mundo Rural! Tudo bem?

    O Núcleo de Apoio à População Ribeirinha da Amazônia é uma organização privada sem fins lucrativos que tem a missão de apoiar as comunidades ribeirinhas e promover a formação de estudantes e profissionais para ação comunitária no contexto amazônico. As comunidades que apoiamos estão localizadas na zona rural do município de Porto Velho, ao norte do Estado de Rondônia, nas proximidades de 3 Unidades de Conservação Federais e em uma extensão de aproximadamente 200 km às margens de um dos mais importantes rios amazônicos – o Rio Madeira. Os membros e voluntários do NAPRA passam por um processo de formação sobre o contexto amazônico incluindo temas referentes à organização social, educação, cultura, saúde, saneamento e trabalho na floresta. A formação, a vivência e a atuação baseiam-se na participação social e na promoção do acesso a políticas públicas que proporcionem melhorias nas condições de vida das comunidades ribeirinhas, com ações pautadas na educação popular.

    Conheça mais o trabalho do NAPRA acessando o site: http://www.napra.org.br/

    Parceiros do NAPRA

    - FAPERP – Fundação de Apoio à Pesquisa e Extensão de São José do Rio Preto

    http://www.napra.org.br/wp-content/uploads/2010/05/11931626_733287493443911_279230195_n.jpg

    - UNESP – Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” – Campus de São José do Rio Preto

    http://www.napra.org.br/wp-content/uploads/2010/05/11948178_733287486777245_421121809_n.jpg

    - Associação de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado de Rondônia

    - ICMBIO

    - Instituto Cultural e Socioambiental Minhas Raízes

  • Cordel A História do Caipira: de Jeca Tatu aos Sem-Terras

    Date: 2015.07.14 | Category: CECMundoRural | Response: 0

    Bom dia amig@s do mundo rural! Tudo bem?

    Deixo aqui mais uma dica de livro:  A História do Caipira – De Jeca Tatu aos Sem-Terras. O autor Jesus de Burarama defende, em versos de cordel, o orgulho de ser caipira. Burarama é o escritor que ajudou a criar o “Caipirapuru” e utiliza a literatura como meio para manter viva a tradição do povo tipicamente interiorano. Leia a reportagem abaixo de Gelson Netto. Saudações, Prof. Fábio Fernandes Villela.

    ***

    Jesus de Burarama defende, em versos de cordel, o orgulho de ser caipira

    Enquanto para muita gente o rótulo de “caipira” é encarado de forma pejorativa e até mesmo ofensiva, para o escritor Renato de Jesus Souza Silva, ou simplesmente Jesus de Burarama, trata-se de motivo de orgulho. Preocupado com o desaparecimento das tradições culturais interioranas, Renato tornou-se um ativista em defesa de um ideal que se esforça para manter vivo através de sua arte, na literatura de cordel, e também de sua atuação na organização de eventos, como o Caipirapuru, em Irapuru.

    “A cultura caipira é a base da formação do povo paulista. O caipira é tipicamente paulista. O reconhecimento da cultura caipira significa a valorização daquilo que está na nossa origem”, afirma o cordelista.

    Ele nasceu em 21 de novembro de 1957, na localidade de Burarama, hoje município de Capitão Enéas, na região de Montes Claros, no norte de Minas Gerais, mas chegou ainda criança ao Oeste Paulista, com a família. Dos cinco aos dez anos de idade, morou em Irapuru e depois se mudou para Presidente Prudente, onde vive desde então.

    Aos 17 anos, obteve o primeiro emprego formal, no Sindicato Rural de Prudente, onde ajudava na organização das provas de rodeio em cavalos realizadas na Exposição de Animais. Em 1974, acompanhou a fundação do Rancho Quarto de Milha, no qual trabalhou inicialmente de 1979 a 1989 e para onde voltou há quatro anos e hoje trabalha como secretário-executivo. Entre 1985 e 1987, ocupou o cargo de presidente da Sociedade Hípica.

    “Ajudei a organizar as primeiras provas de baliza, tambor e laços com cavalo de trabalho na região. Criamos campeonatos regionais de cavalo de trabalho, com a repetição daquilo que acontece no dia a dia de uma fazenda. O quarto de milha é a melhor raça de trabalho com o gado”, explica o cordelista, que em sua trajetória também trabalhou na Sociedade Rural do Sudoeste Paulista.

    Já a ligação de Renato com o cenário cultural começou na adolescência, na época em que estudava na Escola Estadual I.E. Fernando Costa, uma das mais tradicionais da cidade, em festivais de música e cineclubes. Na década de 1980, ele participou de atividades que ajudaram a levar exibições de cinema para escolas e bairros prudentinos. Em 1982, criou na cidade o Clube do Meio.

    Na década de 1990, trabalhou na Delegacia Regional de Cultura e, nos anos 2000, foi coordenador da Oficina Cultural Regional Timochenco Wehbi.

    Porém, a grande virada na vida de Renato se deu em 2001, quando conheceu o médico e violeiro Júlio Santin, que mora em São Paulo, mas nasceu em Pacaembu e possui familiares em Irapuru. A partir da amizade, surgiu a ideia de criar um encontro de violeiros que se transformou no que é hoje o Caipirapuru, uma das festas caipiras mais importantes do interior do Estado, realizada anualmente.

    Em 2002, Renato criou a confraria Clube Amigos da Viola e, no ano seguinte, surgiu pela iniciativa dele o Instituto Matura, o Movimento de Apoio ao Turismo Regional, que divulga o potencial do Oeste Paulista.

    Em outro grande passo em sua trajetória, Renato começou a escrever versos em cordel em 2004, por influência do violeiro Gideão da Viola, de Barretos (SP), e assumiu como tema literário a cultura caipira. De lá para cá, o escritor já concluiu 40 folhetos com poemas impressos artesanalmente, como forma de popularizar o trabalho.

    “A base do cordel é a tradição oral, que forma o jeito de ser e agir de uma sociedade. O principal meio de perpetuação da nossa tradição é a oralidade. Foi uma bandeira que levantei para resgatar a nossa cultura caipira”, enfatiza.

    Em 2009, o escritor foi premiado pelo Programa de Ação Cultural (Proac), da Secretaria da Cultura do Estado de São Paulo, que lhe permitiu a publicação do livro de cordel sobre o povo caipira, obra intitulada “A História do Caipira – De Jeca Tatu aos Sem-terras”. Também pelo Proac, ele voltou a ser premiado em 2010, com o projeto Comitiva Caipira, uma mostra itinerante da cultura popular. No mesmo ano, o projeto foi reconhecido pelo Prêmio Mais Cultura de Literatura de Cordel (Edição Patativa do Assaré), do Ministério da Cultura.

    Pela Timochenco Wehbi, Renato já passou por diversas cidades da região com oficinas de literatura de cordel nas quais promove o “confronto” entre o Saci-Pererê e o Halloween. O assunto é encarado pelo escritor com críticas voltadas às escolas, tanto particulares quanto públicas, que, na visão de Renato, hoje em dia dão mais destaque ao chamado “Dia das Bruxas”, celebrado especialmente nos países de língua inglesa, do que ao folclore tipicamente brasileiro, cujo Dia Nacional é comemorado em 22 de agosto.

    A preocupação do cordelista é tão intensa que ele já aderiu à campanha nacional que pretende fazer com que o Saci-Pererê seja escolhido o mascote do Jogos Paralímpicos que serão disputados em 2016 no Rio de Janeiro (RJ).

    “Os alunos hoje em dia não sabem contar histórias. Os trabalhos escolares sobre o folclore são apenas formais, tirados da internet. O folclore é visto como uma obrigação nas escolas, mas não deve ser assim. Deve ser visto como a manutenção de uma tradição. A oralidade está morrendo, com os causos, as anedotas e os acalantos. Os pais não cantam mais para os filhos dormirem, mas colocam um CD para tocar”, argumenta.

    Além de municípios do Estado de São Paulo, a Comitiva Caipira também já passou por Porto Murtinho e Amambai, no Mato Grosso do Sul. No ano passado, junto com Júlio Santin, ele fez uma apresentação de cordel caipira em um simpósio na Pontifícia Universidade Católica (PUC) de Campinas (SP).

    Entre os cordéis declamados por Renato, o que mais faz sucesso com o público chama-se “Lamento Caipira Moderno”, em que o escritor aborda os impactos da expansão do cultivo da cana-de-açúcar.

    (Reelaborado a partir da reportagem disponível em: http://www.ifronteira.com/imais-perfil-51520).

Nuvem de tags

arte naif arte primitiva moderna assentamento assentamento reunidas assentamentos de reforma agrária campanha fechar escola é crime campanha permanente contra o uso de agrotóxicos e pela vida centro de estudos e culturas do mundo rural cooperativismo educar a cidade educação básica educação cooperativa educação cooperativa e novas tecnologias educação do campo educação patrimonial enff fome fábio fernandes villela fábio villela ibilce insegurança alimentar mst mundo rural música caipira música sertaneja orgulho caipira patrimônio agroindustrial patrimônio histórico pedagogia da viola pedagogia da viola caipira prevenção ao bullying escolar proex projeto de extensão promissão - sp reforma agrária rio preto rio preto - sp segurança alimentar sociologia da educação sociologia rural são josé do rio preto - sp trabalho e educação trabalho no século xxi unesp viola caipira

Categorias

Agenda

setembro 2016
S T Q Q S S D
« jul    
 1234
567891011
12131415161718
19202122232425
2627282930  

Lista de Links

Tópicos recentes

Pesquisar